Sabe aquele peso que às vezes sentimos no corpo a na mente? (não, não estou falando de números em uma balança). Será que este sentimento não é apenas um reflexo dos excessos ou carências na nossa vida? Alimentação, companhias e lugares que escolhemos estar. Sim, todos estes fatores podem agir diretamente sobre o nosso corpo. E este tenta desesperadamente nos avisar. Se pensarmos no corpo como um sistema, composto de diferentes partes e mecanismos, podemos notar que para o bem estar do todo ser alcançado, ele deve ser avaliado de forma holística. Uma alimentação equilibrada e uma rotina saudável de exercícios, nos dá mais longevidade e bem-estar. Boas companhias e conversas, quando escolhidas bem, alimentam a nossa sociabilidade, estima e conexões. Mas além destes exemplos de fatores internos, precisamos pensar também nos fatores externos que exercem direta influência sobre nós. O lugar que vivemos e frequentamos pode agir sobre o nosso bem estar? A decoração de uma casa pode mudar o nosso humor?

O ambiente age sobre o nosso modo de ser físico, mental, emocional e até espiritual. Cada pessoa construirá uma rede de relações de acordo com suas experiências e contextos espaciais, visuais e psicológicos. Por isso não existe uma regra propriamente dita em relação a cores, objetos e composições, apenas estatísticas aplicadas a diferentes cenários e combinações. Estas podem envolver a relação cromática com os costumes socioculturais locais, as raízes, a educação e até mesmo o estilo de cada um. Somos seres únicos, mutáveis e em constante evolução, e por isso o nosso ambiente deve mudar de acordo também.

Ao falar de decoração ou casa, muitos já partem diretamente para a influência das cores para justificar os seus sentimentos. Para nós, a amplitude de um ambiente diz muito mais sobre ele. Você já entrou em um espaço que se sentiu enclausurado e quase claustrofóbico? E por outro lado já entrou em um lugar onde conseguiu respirar profundamente e quase que instantaneamente sentir liberdade e o acalmar da alma? A largura e altura de um ambiente tem uma grande influencia nestas sensações, assim como a quantidade de aberturas que ele possui - sejam portas ou janelas. Ligado a este aspecto, está também a circulação e fluidez do espaço. Um espaço pequeno com muitas coisas, pode passar ainda mais a sensação de caos. Espaços com menos coisas, com mais espaço para transitar, também ajuda na circulação de energias e fluidez dos pensamentos. Sim, a disposição de móveis e peças, podem não só interferir na posição que nos colocamos perante os outros, como também o nosso comportamento individual. Você já passou por uma situação onde uma cadeira foi colocada de frente para outras, e você foi quase que obrigado a sentar em frente a uma pessoa desconhecida? Fica aquela situação estranha, onde você olha nos olhos da pessoa, dá um leve sorriso e então busca outros focos de visão ou inclusive se concentra na sua bolsa, no tecido da sua camiseta ou hoje em dia, direciona a atenção totalmente ao celular?

Ligado a este ponto, também podemos levantar a questão dos materiais, que possuem características e efeitos diferentes, de acordo com texturas e temperaturas, que podem deixar um ambiente mais aconchegante, imponente ou acolhedor. Lembra aquele dia frio no inverno, que você entrou em um restaurante agradável para comer algo acolhedor, e quando senta na cadeira sente um frio tremendo? Isto aconteceu recentemente com a gente e o Marcos, com sua delicadeza, trocou cadeiras com outra mesa, para que se sentisse mais confortável e pudesse permanecer mais tempo no local. A beleza do conforto está nos detalhes.

E sim, as cores. Elas também podem entrar como influenciadoras de um ambiente, elevando ou reduzindo a sensação de bem-estar, em seus tons vivos ou mais suaves, remetendo a emoções e sensações diferentes. Apesar da escolha de cores ser muito subjetiva, é importante considerar seus efeitos na hora da escolha para uma ambientação. Busque entender e estudar um pouco sobre a teoria das cores. Não é apenas um detalhe para a decoração de ambientes, mas até para a combinação com o seu próprio estilo ou mensagem pessoal que quer passar para o mundo.

Podemos então falar da iluminação, tanto em sua versão natural como artificial. A natural proporciona claridade, luz do sol, amplitude e leveza, e para nós é um dos fatores mais importantes ao sentir um espaço, principalmente uma casa. E consequentemente elevam o nosso espírito. Já a luz artificial também deve ser bem pensada, pois tem o poder de salvar ou destruir um ambiente. Através de pendentes, abajures, arandelas ou pontos de foco, a luz pode proporcionar uma sensação mais intimista e acolhedora, quando indireta e suave, ou uma sensação de incômodo, quando muito direta e forte. Cada espaço tem a sua função e portanto deverá receber a iluminação que lhe convém. No geral, luzes brancas auxiliam na nitidez das informações e reproduzem melhor as cores, mas luzes amareladas são mais acolhedoras e criam ambientes mais aconchegantes.

Mas claro, espaços variam, assim como pessoas que ali circulam, mas para nós, o excesso, seja em materiais, objetos ou pertences tende a causar sentimentos negativos. Um ambiente organizado visualmente e sensitivamente deixa a energia mais fluida. O espaço pode ser percebido como um todo e a mente fica mais tranquila. O ambiente funciona como reflexo da mente - e vice e versa - e mostra que uma sala bagunçada pode gerar uma mente agitada. E, considerando que o corpo humano é um sistema, ele também pode exercer influencias e trocas com o seu entorno. Do que adianta um ambiente balanceado e leve, se o seu humor não te possibilita sentir isto? Portanto, além de descarregar o seu ambiente, é importante também pensar no que você está emanando para a sua esfera de influência. Alimentação, conexões, bem estar e energias farão com que você esteja de fato concreto em algum lugar. Pelo menos é assim que nós estamos. A fórmula que funciona para o nosso bem-estar, está na combinação e equilíbrio entre mente, corpo e espaço, através de luz, formas, cores, circulação, criações, atitudes e pensamentos.

E, na dúvida, antes de organizar o seu próprio espaço, busque referências (estas são as nossas), para absorver e compreender o seu olhar. Separe imagens que te fazem sorrir, que te acalmam, e então aquelas que te deixam desconfortável, que te incomodam ou geram algum tipo de sentimento negativo. O próximo passo é aplicar isto ao seu entorno. O que você pode fazer para mudar o seu ambiente para que ele te passe aquilo que te inspira, naquele momento da sua vida?