vivemos em sociedade para vivermos melhor: segurança, conforto e serviços. Contudo, esta formatação traz consigo certos hábitos pré-estabelecidos por uma consciência coletiva que sequer questionamos e raramente mudamos.

reflita um momento sobre os métodos de ensino das escolas, a televisão como entretenimento, o leite de vaca como fonte de nutrientes, o carro como transporte urbano, a privada como assento de banheiros e, ao assunto deste post, o desodorante axilar.

se você é como a maioria dos brasileiros, é super consciente da sua aparência física e limpeza pessoal, e a única preocupação que tem com o seu desodorante diário é a eficácia do antitranspirante e as notas do aroma emanado.

pois você já leu o rótulo do seu desodorante? Metade da composição é impronunciável e os elementos familiares, como o alumínio, já estamos carecas de saber que não fazem nada bem para a nossa saúde, e está constantemente presente em estudos como uma provável causa de câncer.

intrigados com a situação, kalina e eu decidimos pesquisar, testar e avaliar alternativas para os rolinhos e sprays usuais dos mercados. Diante da falta de opções naturais na prateleira, recorremos ao nosso amigo Google. Uma rápida pesquisa aponta todos os malefícos destes produtos que nos venderam como uma coisa boa, e muitas alternativas caseiras simples, mais baratas e quiçá mais eficazes.

e isso já faz mais de um ano. Experimentamos diferentes ingredientes neste meio tempo para comprovar os benefícios, até chegarmos numa mistura satisfatória e acessível, que funciona e faz sentido para nós (ou seja, ingredientes que já temos e utilizamos em outros tipos de receitas no nosso dia a dia):

óleo de coco (4 partes)
bicarbonato de sódio (3 partes)
amido de milho (3 partes)

é so isso mesmo. Mistura e guarda num potinho de vidro ou cerâmica e passa mais ou menos o equivalente a uma colher de café com o dedo em baixo de cada braço. Estamos usando, há muitos meses, sem cheiro de cessê, budum e pizzas de calabresa nas camisetas; sem nenhum olhar torto ou diferença notada pelos amigos e transeuntes.

e lhe asseguramos: funciona e funciona muito melhor - basta você testar as quantidades que funcionam melhor pra você. Caso seja do tipo que transpira mais, adicione um pouco mais de bicarbonato. Se você transpira menos, mais óleo de coco deixa a textura mais leve e sedosa. O mesmo vale para as quantidades na hora de aplicar no seu corpo.

para nós, fica a sensação positiva de nenhum metal pesado caindo direto em nossa corrente sanguínea, nenhum desconforto por secura exagerada nas axilas e uma textura e aroma confortantes de óleo de coco.

viver em sociedade não significa viver cego às tradições. Pelo contrário, temos a possibilidade e o suporte para estudar, testar e aplicar mudanças positivas ao nosso entorno, todos os dias. Tudo que fazemos e consumimos foi um dia criado por alguém. Da mesma forma, temos o poder de fazer diferente e desenhar novas experiências por um cotidiano com mais significado.